Praticando o francês no dia-a-dia

Salut, salut!

Hoje não vai ser dia de preparar dogão, mas sim de ir comer fora. Não existe melhor forma de praticar o francês do que sair de casa. Vamos ser sinceros… Por mais que você estude, faça todos os exercícios, lições de casa, assista filmes e seja bom em exames na escola, livros, filmes e provas não conversam e nem falam pra você “tire-toi une bûche”.

Portanto, separe uma graninha e vamos dar uma olhada onde você pode treinar o francês do dia-a-dia na cidade de Québec.

Aí você compra seu pacotinho de estudos numa escola em Québec e coloca na cabeça “não vou nem chegar perto de brasileiro e estrangeiro, só vou ficar com os locais pra praticar o francês”. E no final você fica em casa, enfiado nos livros, porque não sabe onde ir. Então não deixe seus colegas de classe de lado (não importa de que país eles venham), cobre de falar francês e vamos à isso…

“En bref”

jai-mon-voyageA cidade de Québec tem uma gastronomia bem variada e é um lugar que tem muito orgulho de seus restaurantes, pubs e bares que buscam usar os “produits du terroir”. Muitos buscam reforçar o mercado interno, mostrar a qualidade do que produzem, fazendo pratos sazonais com o que a temporada pode ajudar a colher. É mais do que óbvio que nem tudo pode ser produzido e nem o ano todo, mas fazem o que podem na medida do possível.

O que é bem interessante, principalmente em Québec, é que eles SABEM o que estão vendendo. Você pode perguntar para o atendente o que tem no seu prato, qual a diferença daquela ou da outra cerveja, que tipo de carne tem naquele hamburguer, de onde veio aquela linguiça de porco e por aí vai.

Esqueça o McDonalds e Burguer King da vida. Nada de Tim Hortons, Starbucks e comida d shopping. Sabendo onde ir e/ou onde procurar, comer bem, com valor “abordable” e num bom ambiente pode ser uma ótima pedida, assim como uma forma para praticar o francês falado no dia-a-dia.

Outro ponto que devemos levar em consideração é a simpatia e a boa vontade de servir bem os clientes. Algumas raras vezes você pode encontrar alguns que estão ali apenas “por obrigação”, mas no geral, sorriso no rosto, ser solícito e pronto para responder as questões é um ponto bem forte deles. E isso é óbvio! Mesmo que a gorjeta não seja algo obrigatório eles querem receber essa parte da conta. (Mais abaixo explicaremos sobre a gorjeta e o por quê você DEVE separar uma graninha pra isso)

Nota: Este post não tem como intuito fazer a crítica culinária, mas sim dar dicas para todos os gostos. Fechamos?

Bom e barato! Tem?

Opa! Essa é a especialidade do brasileiro. Comer bem por preços que cabem no bolso ou ir em restaurantes do tipo “coma até morrer”. É claro que queremos pagar barato, mas também não pode ser sabor comida de gato né? Esses são lugares que valem a pena ir com a galera da classe de francês ou ir sozinho e fazer amizades com o pessoal que trabalha lá.

Le Bureau de Poste (Saint-Roch)

logo-lbdp21É uma agência dos correios? É um bar? É um boteco? Não! Nada a ver! Esse é o point da galera. Situado na basse-ville e com um estilo preparado pra quem gosta de esportes radicais, esse é o ponto de encontro de quem trabalha na Ubisoft, dos snowboarders que vem para o campeonato de Big Air e da galera que gosta de comer bem e barato. Tudo no menu custa $4,95. A razão? Tudo é milimetricamente contado e pesado para não haver “gaspillage”. Mas não, não tem miséria. A música é um pouco alta, mas é um dos lugares que sempre tem fila pra entrar. O terraço é sempre concorrido e os sandubas “Le constructeur” e “Le suisse aux champignons” são muito bons! Pena que não tem hot-dog com purê!

Poutineville (Saint-Roch)

poutineVille-logoAh! A poutine! Tipicamente québécoise, essa é aquela “iguaria” que quem vai pra província precisa obrigatoriamente experimentar. Mas… o que seria uma poutine? Batata frita com “sauce brune”. Ah, mas e qual o meu interesse em ir até Québec pra comer uma maldita batata frita? Calmae queridão e queridona! Não é só uma batata frita! É uma poutine! E na Poutineville você ainda monta a sua! Vale colocar bacon, trocar a batata frita convencional pela batata amassada (não é purê e é especialidade deles), pedir queijo extra, trocar o queijo convencional por outro, tacar carne moída. Sim! Vale a pena!

Deux22 (Deux vingt-deux, Saint-Roch)

fb_img_1427213816749Hã? Que nome doidão! Nada a ver! Na verdade o nome vem do número onde está localizado. Ele fica no 222 da rue Saint-Joseph, na basse-ville também. É um bouffe, bar e boutique. Durante o dia uma parte, que é uma loja de roupas e acessórios, fica aberta ao público que pode dar uma olhadinha nas roupas enquanto toma uma caipirinha. Que? Quem? Como? Você disse caipirinha?! Pois é! O único lugar que serve nossa querida e típica caipirinha de limão feita com cachaça. Não vai tomar ela esperando “A CAIPIRINHA” porque não estamos no Brasil ok? Mas até que nos faz lembrar da terrinha. Eles também servem pequenas porções como as quésadillas que são muito boas e uma cerveja que leva o nome deles. O terraço também é bem aconchegante e vale bater um papo com a galera.

Ninkasi (Saint-Jean)

ninkasi-527x179Esse é aquele bar-resto que fica no coração da cidade e tem uma agenda repleta de eventos. Cada dia tem algo novo. Conhecer gente, bater um papo, comer um prato de nachos ou fritas, um hamburguer e tomar uma boa cerveja… Tá aí um bom lugar. Com um terraço que dá direito à uma vista pra Rue St-Jean na haute-ville, conseguir um lugar nos dias quentes pode ser uma missão impossível. A agenda de atividades deles vão desde quiz de perguntas de conhecimentos gerais, passando por peças de improvisação, jam musical (as pessoas levam seus instrumentos e tocam com desconhecidos, mas sai uns ritmos sensacionais), até campeonatos de poker e emissão de rádio ao vivo. Assistir jogos de hockey neste bar, com telões, principalmente se os Canadiens de Montréal estiverem nas playoffs, vale muito. Mesmo se estiver -20°C ele estará lotado!

Muito lindo, muito legal, mas prefiro tomar uns drinks

Ah! Você gosta de drinks? Requintados ou não, tem também. Alguns lugares são inclusive especializados em mixologia e podem deixar você meio torto bêbado de boca aberta. Como no Québec e, no Canada em geral, as bebidas alcóolicas são taxadas de forma diferente, drinks sempre terão um valor maior que a cerveja (falaremos isso mais abaixo). Isso não quer dizer que não possa se surpreender com algumas bebidas diferentes ou mesmo as conhecidas.

L’Atelier (Grande-Allée)

279x233atelierUm bar de mixologia que fica na rua mais frequentada por turistas, os mixologistas (ou barmen, como preferirem) ganham prêmios à rodo. O menu de drinks chega a deixar a pessoa confusa na hora de escolher, em meio à tantas opções. Copos super elaborados com misturas desde whisky até a cerveja, vale a pena a visita. Como ele fica num local onde há outros bares, restaurantes, baladas, onde há a festa de virada do ano e na porção da rua que fica fechada para o Festival d’été du Québec, você vai encontrar muita gente fazendo um “esquenta” por lá. Não vai ser difícil encontrar gente pra trocar uma ideia e praticar o francês.

Maelstrøm (Saint-Roch)

Mais refinado e requintado, o pessoal que frequenta o local é aquele que sai do trabalho e diz “hoje vou tomar um drink com os amigos”. Esse é um local pra bater um papo cabeça, tranquilo, tomando algo diferente. O nome do bar faz referência ao café de infusão à frio. Isso mesmo. E é por isso que a maioria dos drinks são feitos com café. Alguns com alcóol e outros sem, mas todos muito bem feito. Os mixologistas que trabalham ali já ganharam alguns prêmios de mixologia e trabalharam em ótimos bares, como o L’Atelier.9f724d91-b2b9-4fb8-9a8c-7553efebb009_jdx-no-ratio_web

Interessante, mas pensando bem, prefiro cerveja. Tem?

Putz… Agora você fez uma pergunta complicada. Cerveja tem sim, o difícil é saber qual escolher!!! A província do Québec tem nada mais nada menos que 118 microcervejarias locais com aproximadamente 3.400 cervejas diferentes. Sim! Você leu certo! 3.400 (três mil e quatrocentas) cervejas diferentes, mas aqui estamos falando de microcervejarias. Se levarmos em consideração aos pubs e bares, essa conta aumenta pra uns 500 locais onde encontrar a galera, degustar cerveja e bater altos papos. Mas só até às 3h da manhã, porque no Canada, qualquer local de consumação de bebidas alcóolicas precisa estar fechado à partir das 3h da matina. Não precisa mais do que isso né?

Observaçãozinha: O pub le Lion d’Or, na cidade de Sherbrooke, foi a primeira a preparar uma cerveja artesanal na província, sendo considerada a primeira microcervejaria do Québec e a 3ª do Canada. Vai que você dá uma passadinha na cidade né? 😉

Pub St-Alexandre (Saint-Jean)

logo_pub_st_alexandreUm típico pub inglês, com o maior menu de cervejas de importação privada. Não é fácil se perder no meio de tanta cerveja de vários lugares do mundo. Um local para se tomar uma boa gelada com amigos pelo menos uma vez. Os preços são mais altos do que o normal. Lógico! Eles estão num local turístico, a maior parte das cervejas são importadas e você ainda tem shows ao vivo de jazz, blues, folk, folk pop, rockabilly e corre o risco de encontrar algum artista em época de show na cidade.

Le Sacrilège (Saint-Jean)

348sSabe aqueles dias que você acorda de manhã já pensando em tomar uma boa gelada, ver uma galera descontraída pra falar sobre “tout et rien”, ouvir uma música ao vivo e de quebra aproveitar um belo terraço? Então… É nesse bar! Ponto de encontro de outros atendentes de bares e da turma que curte um bom e velho 5@7. Esse é aquele lugar onde o pessoal vai com tanta frequência que os atendentes chamam eles pelo nome.

Le Projet (Saint-Jean)

– Amigão, me trás o menu de cervejas por favor?
– Oh rapaz… Olha ali na parede! Se tiver dúvidas basta perguntar.

logo_le_projet-300x188Pois é! E haja espaço na parede! Toda semana eles trazem novas cervejas de microcervejarias do Québec. Tem pra todos os gostos e pra todo mundo. Chegar nesse bar entre 17h e 19h pode ser sinônimo de fila de espera. É tanta gente falando ao mesmo tempo que seu ouvido até passa a entender somente québécois depois que você sair dali. Os atendentes entendem de cerveja e não deixam você na mão na hora de escolher. Vale até pedir uma dose de 1, 2 ou 3 cervejas diferentes pra ajudar na escolha. Ah! Eles tem uma poutine com um extra de costelinha desfiada que é aquela coisa.

Griendel (Saint-Sauveur)

1446735081_logoEsta é mais uma com o conceito de “menu na parede”. O local é sempre bastante cheio e encontrar pessoas pra bater um papo não é tarefa complicada. Vale até conversar com o pessoal que está passando na rua, uma vez que as enormes janelas ficam abertas nos dias quentes. Aqui o pessoal se junta pra tomar umas, conversar e rir muito. Tiveram até que colocar umas placas que reduzem o eco dentro do local porque a pessoa que falava de um lado do bar, dava pra escutar no outro lado. Oh pessoal que gosta de conversar!

Pub du Parvis (Saint-Roch)

resto_logoAí você pergunta: tem algum lugar onde eu possa aprender falar besteiras em francês? Claaaaro! Pegue um dia de jogo de hockey do tipo: Toronto x Montréal ou Boston x Montréal, sente direto no bar, de preferência ao lado de alguém com cabelos brancos e que esteja usando uma camiseta com um dos times de hockey da noite. Pronto! Está feito seu dicionário informal de soirée sacrée. No final você vai sair de lá com uma lista de palavras que sua professora da escola não vai querer te explicar o que quer dizer e ela ainda vai perguntar onde você aprendeu tanto palavrão. Além disso, muita gente que trabalha na região de St-Roch vai neste pub fazer um 5@7. Não é raro várias mesas já estarem reservadas. O pessoal que trabalha lá é super simpático e vai até comentar um ou outro replay junto com você.

La Barberie (Saint-Roch)

8106064_origCom uma vasta gama de cervejas bastantes conhecidas por todo o Québec, essa microcervejaria tem um dos conceitos de bar mais diferentes e interessantes que você possa imaginar. Com um terraço que dá vontade de passar o dia todo ali, eles tem até um balanço e duas cadeiras redes. Aqui você bebe a cerveja e come o que quiser! Sim! O que quiser. Vale encomendar no restaurante que entrega e dar o endereço do bar, comprar fora e levar lá, fazer a sacolinha do piquenique (com toalha e tudo), levar marmita… Isso porque eles não tem cozinha para preparação, o negócio deles é cerveja! E disso eles entendem bem. Uma boa pedida é o carrossel que vem todas as cervejas do menu para degustação e você ainda pode dividir com a turma. Eles tem até umas cobertas pra você que gosta de ficar no terraço mesmo de noite, quando der aquela esfriada. E se você é daqueles que acha isso anti-higiênico, leve a sua. Você não vai passar vergonha porque quase todos os clientes fazem isso.

Ufa! E tem um cafézinho pra dar aquela acordada?

Bom, depois de fazer um “pub crawl” em plena sexta-feira, eu preciso dar aquela acordada no sábado pra continuar praticando o francês. E agora? Onde vou? Mas antes de tudo, querido Purê no Hot-Dog, quero fugir do bendito café “l’eau de vaisselle”, por favor!

Nós diremos: Sem problemas! E é por isso que você deve passar no Tim Hortons ou Starbucks… pela calçada, do lado de fora e seguir em frente! Nada contra! O Tim Hortons até tem uns beignes et muffins show de bola, mas café com certeza não é o forte deles. Não pra nós. Porém, existem algumas ótimas cafeterias, especializados nisso!

Nektar (Saint-Roch e Limoilou)

nektar-cafc3a9ologue-2016Especialistas em… café! Aqui você vai tomar o seu “pretinho” de todas as formas. A cafeteria tem um conceito do tipo Starbucks também, com internet wi-fi grátis, sofás e cadeiras confortáveis, vale até pra ir estudar (o que não é raro encontrar por lá). Bater um papo relax, ler um livro ou revisar a matéria com os colegas de classe pode ser uma boa. Só não tome muito café pra não ficar acordado a noite toda.

Les Bruleries (Saint-Jean e Limoilou)

les-brc3bbleriesOutro lugar especialista em café com mesas e locais para estudar. Na região da St-Jean, já no Vieux-Québec, o segundo andar tem inclusive um tipo de exposição artística com quadros que estão expostos na parede à venda. Aqui também não é raro encontrar gente estudando à qualquer hora do dia enquanto toma uma “grande tasse de café”.

Café Félin Ma Langue Aux Chats (Vieux-Port)

3169c8_e13f558aab494db28ab6d996f4cd5726Se você gosta deles, não tem alergia e quer aprender como conversar em québécois com eles, este é o lugar. O pessoal que trabalha explica pra você tudo sobre os moradores deste café e você pode tomar um cafézinho enquanto “flatte” ou “joue” com os gatos do local. Eles ficam super contentes de receberem visitas, mas fique atento às regras, ok?

Gostei! E tem algum lugar que não seja fechado?

Tem sim senhor e tem sim senhora! Existem alguns lugares que são um prato cheio para treinar o francês. Vale puxar papo com qualquer um. Inclusive com aquele senhorzinho ou senhoria que passa por você e dá um “bonjour” com um sorriso no rosto. Eles adoram conversar! Mas tem que aguçar bem o ouvido porque esse sim vai ser o “québécois de souche”.

Vieux-Québec

A região conta com bares, restaurantes, a Citadelle, o parque Plaines d’Abraham e o cartão postal Château Frontenac (é um hotel e não um castelo! Inclusive, ele nunca foi um castelo…). A Grande-Allée faz parte dessa região. Esta é bastante turística e com coisas mais caras, então pode ser que você treine mais seu inglês que francês. A St-Jean já é mais québécoise, mas só até a região da Avenue Honoré Mercier. Dali em diante, passando pela Place d’Youville você encontra ainda mais turistas, mas vale o passeio.

Rue Saint-Jean

Com uma porção da rua mais local e outra mais turística, pode ser uma boa dar um passeio por ela. É nela que acontece a parada gay de Québec e a parada de Saint-Patrick. Bares, pubs e restaurantes e muito québécois pra poder praticar o francês. A parte turística começa depois da Avenue Honoré Mercier, na região do Vieux-Québec e onde fica a Place d’Youville.

Avenue Cartier

Frequentada o ano todo pelo pessoal local, ela tem um charme de inverno e a alegria do verão. Nela tem um pequeno cinema que participa da mostra de cinema québécois e vários pequenos bares e restaurantes. O auge da avenida foi a abertura da famosa sorveteria Chocolat Favoris. Pegar um delicioso crème-glacé e sentar num dos bancos espalhados pela pequena avenida pode dar a chance de encontrar alguém pra bater muito papo.

Vieux-Port

A região mais antiga da cidade tem um dos lugares mais legais para caminhar enquanto bate um papo. É nessa região que você verá os enormes cruzeiros que chegam entre o fim da primavera e o comecinho do outono. Vale dar uma passada no Marché du Vieux-Port pra comprar uma caixinha de morangos da Île d’Orléans e aprender os nomes de frutas e légumes. O pessoal que trabalha ali é super simpático e solícito. É nessa região que fica a famosíssima, e cartão postal de natal de Québec, rue Petite-Champlain. Guardada e restaurada para ser como na época inicial (1800 e bolinha), os pequenos comércios podem ser um ótimo lugar pra aprender palavras novas.

Rue Saint-Joseph

Praticamente uma gororoba de québécois, essa é uma rua que você verá de tudo. De pessoas que se vestem de forma bizarra até pessoas altamente estilosas. Dotada da maior biblioteca da cidade, Gabrielle-Roy, do Théâtre de la Bordée, de bares e restaurantes de todo tipo, treinar o francês aqui pode ser um desafio, mas muito enriquecedor. A biblioteca é de acesso público e você pode usar os computadores e os livros para estudar sem custo algum.

Sobre a gorjeta

Bom, depois de tudo isso e mais de 3.000 palavras, que tal explicar essa história de que DEVEMOS dar gorjeta, porque eu sou brasileiro e peço inclusive pra tirar os 10% da minha conta. Me convença!

facture_mev_webÉ… Convencer não podemos, mas podemos explicar o porque você deveria dar a gorjeta. Em primeiro lugar, os atendentes de bares e restaurantes recebem abaixo do salário mínimo, que é $10,75/hora desde maio de 2016, exatamente por causa da gorjeta. Em segundo lugar, porque eles recebendo ou não, na hora de declarar o imposto de renda eles são obrigados a pagar imposto sobre um mínimo de $800,00 de gorjeta anual.

Geralmente o valor fica em torno de 15% à 20% da conta, mas antes de você fazer esse cálculo, retire o valor que você pagara de imposto. É isso aí. Pra fazer isso já calculando o valor da gorjeta faça o seguinte: pegue o imposto TPS e TVQ e some-os. Pronto! Esse é o valor da gorjeta, já nos 15%.

Explicado o porque e como, agora fica a seu critério. Mas pense bem e lembre-se de levar em consideração o antendimento que você recebeu. As vezes o sorriso e a boa vontade valem aqueles $1,50 à mais.

E a cerveja? Porque é mais barata?

É, vou repensar sobre a gorjeta, mas e porque as cervejas são mais baratas que as outras bebidas alcóolicas?

Por aqui o governo controla a importação e produção de álcool. Porém a fabricação da cerveja local tem um incentivo maior. É inclusive por isso que as microcervejarias brotam como “maria sem vergonha em canteiro de rosas”. Toda a cadeia de produção gera um grande valor econômico. Afinal de contas, ela leva vários ingredientes. Frutas, cevada, malte, lúpulo, trigo, etc. Tudo isso precisa ser produzido e, é claro, faz girar uma enorme cadeia de produção. O governo do Québec tentou retirar esse imposto e passar a taxar da mesma forma que os outros, mas a associação dos microcervejeiros brigou e pediu para os cidadãos também entrarem na briga. Conclusão: o povo unido… toma muita cerveja ainda!

5-permisdebic3a8re-5145647743-bieres-700x500

É isso aí! Sabemos que este post ficou bem grande em comparação com todos os outros que já escrevemos, mas tentamos dar uma pequena ideia de onde pode-se ir na cidade de Québec para aproveitar a estadia, treinar o francês do dia-a-dia e conhecer gente nova. Os québécois tendem a serem bem simpáticos com aqueles que se mostram interessados pelo idioma, cultura e história deles. Então aproveite pra praticar aquilo que aprendeu em sala de aula e não deixe o purê queimar a sua língua. On y va jaser ailleurs!

Profitez-en et bon appétit.


 

Glossário deste post

  • Tire-toi une bûche – expressão pra dizer “pegue uma cadeira”;
  • En bref – em resumo;
  • Produits du terroir – produtos da terrinha;
  • Ubisoft – produtora québécoise de games, incluindo o famoso Assassin’s Creed;
  • Gaspillage – desperdício;
  • Sauce brune – molho gravy, tipo um molho de carne cor de Madeira;
  • Parler de tout ou rien – expressão pra dizer “jogar conversa fora”;
  • 5@7 – happy hour québécois que começa, literalmente, 17h e termina 19h;
  • Pub crawl – passeio organizado que passa de bar em bar, num circuito já previsto tomando uma cerveja em cada bar;
  • L’eau de vaisselle – expressão pra dizer “água suja”;
  • Flatte(r) – acariciar (os bichinhos);
  • Québécois de souche – expressão pra dizer “quebequense da gema”;
  • TPS – Taxe sur le Produits et Services (taxa sobre produtos e serviços);
  • TVQ – Taxe de Vente du Québec (taxa de venda do Québec);
  • On y va jaser ailleurs – “bora bater um papo por aí”.

Ps.: Se quiser aprender algumas expressões québécoises, dê uma olhadinha no site Je parle québécois.

logo-footer

Anúncios

2 comentários em “Praticando o francês no dia-a-dia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s